sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Identificar a obesidade mais cedo

                                                                                                 (imagem: jornal Público)

As curvas de crescimento das crianças têm novas características, definidas pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Os novos percentis são menos tolerantes face à obesidade e mais permissivas com os bebés alimentados apenas por leite materno que, nos primeiros meses de vida, podem crescer um pouco mais devagar.
Os boletins de Saúde Infantil e Juvenil vão começar a ser substituídos. Na prática, esta mudança vai fazer com que os valores expressos nestas tabelas de percentis traduzam um crescimento mais próximo do "ideal" e vai ainda permitir detectar com mais rigor algumas situações problemáticas, como os casos de obesidade.
Os profissionais, muitas vezes, são intempestivos em introduzir o suplemento de leite artificial e isso não é necessário. Um bebé amamentado tem uma evolução ponderal mais lenta e isso é bom em termos da sua saúde cardiovascular no futuro.
Muitas vezes o percentil de uma criança é sobreavaliado e, pior do que isso, mal interpretado pelos pais. Não há um bom percentil e muito menos é verdade que, quanto mais alto o percentil, melhor. Não importa se a criança tem o percentil 25, 50 ou 75. O importante é crescer a uma velocidade normal, em paralelo com as curvas de referência, e ter o peso e o comprimento a progredir de forma proporcionada e harmoniosa.
É importante os pais aceitarem mudar comportamentos. De nada adianta mudar os “livrinhos” se daí não resultarem consequências.

Sem comentários:

Ocorreu um erro neste dispositivo