terça-feira, 5 de maio de 2009

Vale tudo?

A necessidade de afirmação através da magreza é cada vez mais comum nas mulheres de todas as classes sociais e com qualquer nível de escolaridade.

Há muito que investigadores se debruçam sobre o controlo do corpo feminino como forma de afirmação social. O investigador Simon Goldhill afirma no livro "Amor, Sexo e Tragédia - Como o Mundo Antigo Influencia Nossas Vidas" que a Grécia Antiga via uma mulher como "sensual, bela, saudável", mas o seu corpo estava subjugado à regulamentação dos homens, que, por mais que admirassem as curvas femininas, valorizavam a musculatura masculina, exposta em estátuas nuas. A idade contemporânea aparentemente modifica tais valores, já que desde a 2ª Guerra, segundo Goldhill, cada vez mais o corpo feminino é mostrado "num striptease contínuo perante um público voyeur".

As feministas americanas que se insurgiram contra a exposição de mulheres nuas na década de 60 preocuparam-se, 30 anos depois, em denunciar as mudanças que aquelas formas estavam sofrendo. Em "O Mito da Beleza", a americana Naomi Wolf responsabilizava a indústria da beleza, que movimenta milhões em cosméticos e cirurgias plásticas, por aprisionar as mulheres em parâmetros estéticos impossíveis de ser cumpridos. Ao mesmo tempo, advertia para o crescimento de casos de bulimia e anorexia entre as universitárias nos Estados Unidos, que, mesmo magras, diziam querer perder de 3 a 25 quilos.

Uma mulher, disse, referindo-se à ingestão contínua de anfetaminas e medicamentos para queimar calorias: "Sei que vou morrer mais cedo, mas tudo bem. Até lá eu vivo magra."

Chegamos a uma altura que vale tudo estar de acordo com os padrões? O que pensa sobre este assunto?

2 comentários:

Mary disse...

O ser magra é como se fosse uma questão de vida ou de morte na nossa sociedade... é uma necessidade.
Se queremos ser aceites temos que ser minimamente magros e elegantes, por muito que digam que não que isso não é verdade esta é uma realidade que encontramos sempre ao virar da esquina.
Hoje deparei-me com uma situação que me deixou constrangida, triste, envergonhada e com vontade de chorar, sou transplantada renal á 7 anos... desde que fiquei desempregada á mais ou menos um ano engordei 5 kg o que levou a minha medica a enviar-me para uma nutricionista.
Aos poucos tenho conseguido emagracer, 2kg… 700 gr aos poucos consigo lá chegar... hoje na consulta medica de transplante ao pesar-me vi que tinha menos 700 gr fiquei contente porque a ultima vez que me tinha pesado tinha sido à 15 dias e tinha os menos 2kg...pensei para comigo que estaria no bom caminho.
Mas, qual o meu espanto quando a minha medica tratou-me da pior forma possível uma coisa estúpida mesmo, referiu que estava muitoo gorda…muito gorda… como se pesasse 100 kg ou algo do género quando apenas faltam 3kg para voltar ao meu antigo peso, ao ouvi-la senti-me triste constrangida e só não desatei a chorar por vergonha apenas por vergonha.
Ainda agora estou a pensar no que aconteceu e a interrogar a mim mesma… Porque?

Ana Ribeiro disse...

Mary, 700g em 15 dias é um sucesso. A perda de peso para ser duradoura, e se perder a tão indesejada massa gorda tem que ser assim lenta. Não se deixe abater por um comportamento errado da sua médica. Transforme essa energia negativa em positiva e use-a como motivação para continuar no bom caminho. Força!

Ocorreu um erro neste dispositivo