sábado, 5 de dezembro de 2009

Alimentação saudável: é preciso educar

Os malefícios da “fast-food” são conhecidos, mas proibir o seu consumo pode ser contraproducente, sendo mais eficaz mostrar aos mais novos as consequências destes hábitos alimentares. “Vejam como estão os norte-americanos. É o povo mais gordo do mundo”, disse Loren Cordain, mundialmente reconhecido como especialista nas bases evolucionistas e antropológicas da dieta, exercício e saúde em humanos e que realizou uma palestra na Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa.
O especialista reconheceu que a “fast-food”, tipo de comida altamente energética e rica em gordura, também tem bastantes adeptos em Portugal, um país conhecido por “boa comida, principalmente peixe e vegetais”. Questionado sobre como ajudar os portugueses a inverterem a tendência de consumir estes alimentos, Loren Cordain considera que a solução não passa pela proibição. “Dizer a uma criança que não pode consumir fast-food é o mesmo que saber que ela vai fazê-lo em seguida”, afirmou. O especialista defende “uma aposta na educação” e lembrou que exemplos não faltam, nomeadamente o do seu país: os Estados Unidos da América (EUA).
Sobre a alimentação portuguesa, o especialista destacou o peixe e o azeite, mas alertou para o elevado número de pastelarias que observou em Lisboa. “Não sei como os portugueses gerem os doces, mas devem fazê-lo com moderação”, defendeu. Loren Cordain duvida que a crise que se vive possa contribuir para o recurso a alimentos mais simples, baratos e saudáveis. Isto porque, “com as preocupações, principalmente perante cenários de desemprego, o consumo de álcool pode ser mais frequente, com todos os malefícios a ele associados”, referiu.
O especialista acredita que as pessoas podem mudar a sua dieta e, desta forma, controlar a saúde. Esta é, aliás, a única forma de o conseguirem fazer, disse. Loren Cordain é o primeiro investigador a propor uma ligação endócrina entre acne e hiperinsulinemia induzida pela dieta e tem investigado extensivamente o papel da nutrição na etiologia das doenças auto-imunes.

Sem comentários:

Ocorreu um erro neste dispositivo